segunda-feira, 30 de maio de 2016

Voltando de uma ronda noturna



voltei,
voltei
pra onde nunca estive
de verdade,
e permaneço inerte
numa orbita lúgubre
rondo uma noite que já era
que já não mais,
pisco o olho esquerdo,
esfrego as mãos,
me ajeito na cadeira 
e dou play em Coltrane. 

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Bazófias

mordo, quase  
morto
minha língua aerada,
jorra sangue,
        fetos e
desafetos,
descarto a
insígnia de
bardo,
brado
bazófias pueris,
calúnias pros meus
amigos, aos meus
inimigos sou só
elogios.  

domingo, 27 de dezembro de 2015

Hoje não estou

Hoje eu não estou
pra ninguém
só para as minhas desavenças
     para as minhas inimizades
              aquelas que me despreza

Hoje eu não estou
pra ninguém
só pra quem já me esqueceu
            quem blefou com o braço de ouro 
                              ou desapareceu

Hoje eu não estou
pra ninguém
nem pra mim
tampouco para o que se desgastou.

domingo, 20 de dezembro de 2015

Apócrifo

Cri  
no vão que nos acomete
desenganei
no acomodo que me
impugnaram
volto ao pó
deixo a fênix pra trás
e no chão do desespero
me refaço
longe do sublime
nos cacos da indiferença
permaneço
perto
longe
do que querem
dos olhos que vêem
da cegueira
apócrifo
mas, ainda pulso 
e deliro!

domingo, 13 de dezembro de 2015

Dê uma chance

Dê uma chance
ao azar
ao improvável

dê uma chance
ao que já foi
ao que não mais

dê uma chance
ao que passou
ao que insiste

dê uma chance
ao que se espera
ao que transbordou 

dê uma chance
ao que quer ser dito
ao não mencionado

dê uma chance
ao que nem sei
ao que não fui

ao que pode ser (ainda)
                sei
    que pode.

Terceira gaveta

Na falta de qualquer alheia
besteira
vai uma própria e retrógrada   
mesmo:
 Vou ali comer uma coxinha e beber
 suco de frutas vermelhas,
doravante ler idiotices que estavam
perdidas no fundo da terceira gaveta. 

Optar

   opto  
      pelos ruídos  
o óptico  
             continua
embaçado!

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Chovia no viaduto


                              Era domingo,
                      chovia no viaduto,
                      estava indo embora,
                      no vão de uma escada
                      eu acabara de ganhar um
                      molhado boquete. 

                                                    Foto: Israel Faria