domingo, 17 de setembro de 2017

Caçando uma parte de mim

enquanto divago
memórias
enquanto caço
o ludibriado
o verdejante outrora
"time to die"
 enquanto sou metade
de quê nunca fui
do quê desejei
morro aos poucos...

"é pena que ela não vá viver,
mas, afinal, quem vive?"
https://www.youtube.com/watch?v=Cg0cmhjdiLs

Ningém vai



Quem é que vai
endossar o quê digo
quem vai
avalizar o quê mendigo
quem é que vai
adoçar o amargor
que está inserido
no quê eu grito
quem é que vai
maturar
defumar
a ilibada e pútrida carne
que está pendurada
no farpado e atemporal
descuido
quem vai me conceder
o direito ao não
o direito de estar longe
ser desatento 
despreocupado e rude   
quem é que vai
manchar em minha epiderme
os infortúnios que não pude
evitar
os malogros que eu não soube  
definhar
quem é que vai...
... ninguém vai.
                                           Foto: Israel Faria

   

domingo, 20 de agosto de 2017

Leminskiando num domingo

desterre
a noite
deixe
a manhã
cair.  
                                            rude
                                          mente
                                          capta
                                mentecapto.
   º  ºágua
  sabão
canudo e  º º
ºº sopro  º ºº
  pronto º º
borbulhas
      no   ar ºº
               º º
         º            º
                                                               sob        o
                                                               sobretudo
                                                                 o     todo
                                                               sobra.
                                   
                                                                                                                              elefantes
                                                                                                                    no firmamento...
                                                                                                                                       nuvens!

          insólito
          y só
                lixo
           prolixo
               texto
               tento
                ex
                patriar.


domingo, 13 de agosto de 2017

Enfio sim



enfio,
enfio sim, com o mesmo prazer feito na
abandonada, na
    rejeitada, na
       danada.

enfio,
enfio sim,
com aquela fúria destinada
à    bagaça,
à   carcaça,
à desgraça.
  
enfio,
enfio sim,
seguindo o torpe e pueril ímpeto
da  ofendida
da aparecida
da esquecida.

enfio,
enfio sim,
com o devasso furor requerido 
pela indecente
pela   contente
pela   demente.

enfio
enfio sim,
 qual fiz  na
     atriz, na
   infeliz, na
meretriz.
                                                                                                                                                   

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Perdendo sempre



Perde-se
sempre
perdendo sempre
perdi o último
pôr-do-sol
e fazia frio
perdendo o que
estava por ficar
sempre perdendo
oportunidades de dizer
só o relevante
revelar o silêncio
perdendo o calar
o menos que quase
ou
o nunca nada muda
perde-se
e estava perto
parecia estagnado
mas cambaleava
corroía e ruía
pulo o sensato
desacato quem mesmo?
rubro e rijo 
fico
perdendo sempre
estou 
sempre perdendo  
o quê
de fato
nunca foi meu. 

                                             Foto: Israel Faria