quarta-feira, 15 de abril de 2009

Atraso

Antes eu era

errado por fazer,

agora s’tou

errado por ñ fazer.

Desculpe-me, mas sou

assim mesmo;

ao meu lado

(colado em mim),

o meu atraso,

como disse K.

tô anos luz

atrás deles.

Ainda estou encouraçado no

Potemkin,

moinhos impedem-me

cavalgar com Sancho,

tocatas & fugas & prelúdios

ainda me tocam.

Mas não me olhem com a

doçura dos que compadecem,

não há grilhões,

vontade, apenas,

ah!, sim, claro,

Atraso idem.

Um comentário:

isaias de faria disse...

lirismo nesse poema. gosto.